Artigos e Teses


O que eu encontrei sobre a mistura de extratos das cascas de magnolia officinalis e phellodendron amurense padronizada para honokiol e berberina

Recentes estudos correlacionam estresse, ansiedade, insônia, sobrepeso e significantes implicações para a saúde. Estresse e ansiedade substanciais e prolongados podem ocasionar efeitos adversos em sistema imunológico, níveis hormonais, funções enzimáticas e gastrointestinais.

O aumento dos níveis de cortisol, o hormônio do estresse, é correlacionado à elevação do consumo de alimentos açucarados e calóricos, uma das principais causas da obesidade e do surgimento de um grupo de pessoas que se auto-intitulam “comedores do estresse”. O estresse piora a insônia e a insônia é uma das principais causas do sobrepeso e da obesidade. Um estudo comparativo sobre a relação peso x horas de sono foi realizado em 6.115 pessoas norte-americanas com idades entre 32 a 59 anos. Em sua conclusão, aqueles que dormiam menos de 7 horas por noite eram mais propensos à obesidade e o risco aumentava inversamente proporcional às horas de sono.

Intervenções para o controle do estresse englobam desde um suporte nutricional até o uso de medicamentos como os benzodiazepínicos e os inibidores da recaptura da serotonina. Há poucos anos, uma patente norte-americana foi concedida para o uso do extrato da casca da magnolia officinalis no controle do estresse envolvendo níveis elevados de cortisol assim como no controle do peso, distúrbios e agitação do sono.

O extrato da casca da magnólia, sobretudo o seu componente ativo, o honokiol, tem sido pesquisado em várias metodologias em rato e o comparam à atividade do Diazepan, a benzodiazepina ansiolítica utilizada no tratamento das desordens de ansiedade desde 1960, e descobriram que o honokiol produziu o efeito ansiolítico sem os efeitos secundários do Diazepan tais como disfunção motora, sedação e amnésia.

Os extratos da casca da magnolia officinalis e do Phellodendron amurense foram testados em modelo animal para o estresse com resultados positivos. Ambos reduziram o distresse sem causar sedação.

Um ensaio clínico controlado por placebo, publicado no Nutrition Journal em 2008, em mulheres adultas, saudáveis, com sobrepeso, “comedoras do estresse”, que sofriam de ansiedade, utilizou duas doses diárias de 250 mg do Relora®, uma mistura de extratos das cascas de magnolia officinalis e phellodendron amurense padronizada para honokiol e berberina, respectivamente, durante 6 semanas. A amostra foi dividida em dois grupos, sendo um deles o placebo, e os resultados avaliados através de questionários e verificação de amostras salivares de cortisol e amilase.

Um outro trabalho, publicado no Journal of the International Society of Sports Nutrition em 2013, igualmente controlado por placebo, estudou 56 indivíduos, homens e mulheres, que também utilizaram 500 mg diárias do Relora®. Foram avaliados o peso corporal e o percentual de gordura, estresse geral, estado de humor psicológico e cortisol salivar.

Estes e outros estudos demonstraram que a berberina e o honokiol atuam sim como agentes ansiolíticos, sobretudo quando comparados com os agentes farmacêuticos, tais como o Diazepam. Esta é uma abordagem natural eficaz para controlar os efeitos prejudiciais do estresse cotidiano (tensão, depressão, fadiga e mau humor), sem nenhum efeito sedativo.

Medicamentos antidepressivos são a classe mais comumente prescrita nos Estados Unidos, onde mais de 10% da população toma um ou mais medicamentos deste tipo, o que representa 27 milhões de indivíduos que seguem mais de 120 milhões de receitas e gastam mais de US$ 80 bilhões por ano. De acordo com uma pesquisa recente, 83% dos norte-americanos sentem que um medicamento antidepressivo seria útil para lidar com o estresse cotidiano, tornando mais fáceis as relações com a família e os amigos e ajudando as pessoas a se sentirem melhor sobre si mesmos. No Brasil, não é diferente.

Além de uma dieta equilibrada, atividades físicas regulares e várias técnicas de gerenciamento do estresse e da ansiedade, certos suplementos dietéticos podem ser eficazes na manutenção natural do equilíbrio e do bem-estar emocional. Conhecemos a ação de chás com base em misturas de ervas tradicionais como camomila, erva-doce, erva-cidreira etc., e suplementos com os extratos das cascas de magnólia e Phellodendron.

Eu já trabalho com o extrato da casca da magnólia há algum tempo, com relatos positivos dos pacientes sobre o controle da ansiedade e consequente melhora da qualidade do sono, mas em meus estudos neste fim de semana, descobri mais uma ferramenta fitoterápica para me auxiliar na linda missão de cuidar de quem precisa se acalmar, dormir bem e/ou perder peso. Infelizmente, o Relora® não está disponível para comercialização no Brasil, mas já fiz contato com um fornecedor farmacêutico para manipulação e aguardo uma resposta sobre a disponibilidade da matéria prima. Quem estuda e pesquisa está sempre à frente. “Os que se encantam com a prática sem a ciência são como os timoneiros que entram no navio sem timão nem bússola, nunca tendo certeza do seu destino.” (Leonardo da Vinci)

(Danielle Louise Sposito Bourreau)

 

 









Compartilhe